PF encontra cofre com quase R$ 750 mil durante operação contra envolvidos em lavagem de dinheiro e tráfico de drogas em MT

PF encontra cofre com quase R$ 750 mil durante operação contra envolvidos em lavagem de dinheiro e tráfico de drogas em MT

A Polícia Federal encontrou dois cofres e um deles possuía quase R$ 750 mil em espécie durante a segunda fase da Operação Jumbo deflagrada na manhã desta quinta-feira (22). Os envolvidos atuam no tráfico de drogas e lavagem de dinheiro por meio de postos de combustíveis, mineradora e transportadora. Nove pessoas foram presas preventivamente.

Na primeira ação, as investigações apontaram movimentações de aproximadamente R$ 350 milhões.

Em um vídeo da PF é possível ver a equipe abrindo o cofre que guardava a quantia. Outro cofre também foi encontrado pela polícia.

Foram cumpridos também 23 mandados de busca e apreensão e sequestro de bens em Cuiabá, Várzea Grande, Cáceres, Alta Floresta, Mirassol D'Oeste e Pontes e Lacerda, além de Palmeira D'Oeste, São Paulo, e Boa Vista e Mucajaí, ambos em Roraima.

Com a ação desta quinta-feira, segundo a Polícia Federal, quatro postos de combustíveis foram sequestrados por determinação judicial. Os mandados foram expedidos pela 7ª Vara Criminal de Cuiabá.

“A deflagração da 2ª fase da Operação Jumbo decorreu principalmente das análises dos celulares dos investigados, apreendidos na 1ª fase da operação, notadamente do celular do líder da organização criminosa, tendo sido identificadas outras pessoas físicas e jurídicas atuantes nas práticas criminosas, não reveladas na fase inicial das investigações”, informou a PF.

Os investigados nesta etapa devem responder por lavagem de dinheiro e organização criminosa. As penas somadas podem ultrapassar os 18 anos de prisão.

As investigações continuam. Um balanço da operação desta quinta-feira deve ser divulgado pela Polícia Federal posteriormente.

Na primeira fase da operação, realizada em maio, foram cumpridos 37 mandados de prisão preventiva e busca e apreensão em ao menos cinco municípios de Mato Grosso.

Segundo as investigações, os criminosos movimentaram cerca de R$ 350 milhões em um período de quatro anos com o tráfico de cocaína. O entorpecente era adquirido em Porto Esperidião, era guardada em Mirassol d’Oeste e, depois, distribuída em Cuiabá.

Fonte: G1-MT.