Mato Grosso tem cerca de 30 mil pessoas ligadas a facções, aponta desembargador.

Mato Grosso tem cerca de 30 mil pessoas ligadas a facções, aponta desembargador.

Mato Grosso tem cerca de 30 mil pessoas, entre presos e familiares de presos, que são ligadas a facções. O levantamento foi divulgado pelo desembargador Orlando Perri, que supervisiona o Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e Socioeducativo de Mato Grosso (GMF/MT).
 
O sistema carcerário de Mato Grosso conta atualmente com 11.069 pessoas privadas de liberdade. A previsão é de que a partir de meados de setembro haja sobra de vagas disponíveis nas unidades prisionais do Estado.
 
Crime organizado e o sistema prisional, as cabeças pensantes das organizações criminosas estão dentro dos presídios. É de lá que partem as ordens
 
“Sabemos que há uma ligação entre o crime organizado e o sistema prisional. As cabeças pensantes das organizações criminosas estão dentro dos presídios. É de lá que partem as ordens”, disse.
 
A respeito das facções, o desembargador critica a própria sociedade que, muitas vezes, olha os ex-presidiários de forma preconceituosa.    
 
“Há alistamento de jovens para entrarem nas facções. Quando um preso se alista, ele arrasta toda a família junto. Estimamos que são mais de 30 mil pessoas, entre presos e familiares, faccionadas no estado”, completou Perri.
 
Sobre a reincidência de crimes, o GMF diz que 80% dos presos que deixam as cadeias voltam a cometer algum tipo de delito.
 
“O maior número de presas mulheres são dos faccionados. 90% das presas são por tráfico de drogas. Foram coagidas a levar droga para outros estados ou para o próprio preso no presidio”, finalizou.

O sistema carcerário de Mato Grosso conta atualmente com 11.069 pessoas privadas de liberdade. A previsão é de que a partir de meados de setembro haja sobra de vagas disponíveis nas unidades prisionais do estado.
 
Guerra de facções
 
Neste ano, especificamente em Cáceres e Sorriso, as forças de segurança se depararam com um aumento no número de assassinatos motivados por guerras entre facções.

Uma separação de integrantes de uma facção criminosa gerou uma rixa e aumentou o número de assassinatos em Sorriso.

Criminosos envolvidos em duas facções foram alvos da Operação Dissidência, realizada por uma força-tarefa da segurança pública na semana passada.

Fonte: Leiagora.